quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

DAKAR : GUGELMIN E VARELA VENCE A PENÚLTIMA ETAPA


Pilotos vence e se mantém vivo no Rally Dakar
                                                                       

Depois de perder a liderança por conta de problemas no dia anterior, atuais campeões sobem para terceiro e estão a 1h dos líderes restando um dia para o fim.

O Rally Dakar não tem sido fácil para Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, mas a dupla não se deu por vencido na briga pelo título dos UTVs e faturou a penúltima etapa, pulando para terceiro na tabela geral restando apenas 112 km de trechos crometrados para a conclusão do maior rali do mundo, que está em Pisco e segue nesta quinta-feira para o Grand Finale em Lima.
                                                                        


Depois de uma terça difícil, quando perderam a liderança do campeonato, Varela e Gugelmin dominaram o dia e subiram para terceiro no geral, entrando na reta final a 1h11min29s dos líderes Chaleco Lopez e Alvaro Quintanilla, que fecharam a nona etapa de 2019 em terceiro, atrás de Gerard Guell e Daniel Carreras.
                                                                    

Já Bruno Varela e Maykel Justo estão com um azar enorme neste batismo de fogo da dupla, que corre pela primeira vez o maior rali do mundo. Desta vez, restando cerca de 200 km para o fim, o UTV dos dois quebrou mais uma vez em uma região de dunas e eles aguardam auxílio para deixar a região, uma vez que eles só saem rebocados. Ou seja, depois de passarem o rali todo ajudando outros competidores, desta vez são eles que precisam de uma mão.

Resultado da etapa:
1. R. Varela/G. Gugelmin (BRA/Can-Am), 4h20min2s
2. G. Guell/D. Carreras (ESP/Can-Am), a 3min3s
3. C. Lopez/A. Quintanilla (CHI/Can-Am), a 11min26s

Classificação restando uma etapa:

1. C. Lopez/A. Quintanilla (CHI/Can-Am), 40h47min46s
2. G. Guell/D. Carreras (ESP/Can-Am), a 59min46s
3. R. Varela/G. Gugelmin (BRA/Can-Am), a 1h11min29s

Vipcomm

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

GUGELMIN E VARELA RETOMARAM A LIDERANÇA NO DAKAR

Brasileiros reassumem liderança do Rally Dakar
                                                                        

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin sobrevivem à sétima etapa e contam com problemas dos rivais para voltar ao topo nos UTVs.

Depois de comerem o pão que o diabo amassou no dia anterior, Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin reassumiram a liderança do Rally Dakar após terminarem a sétima etapa de 2019, em San Juan de Marcona, na segunda posição e contar com sérios problemas de seus principais rivais.

E olha que eles ainda pararam tentaram ajudar, pelo menos, seus companheiros de Monster Energy Can-Am Team, Gerard Farrez/ Daniel Oliveras, que lideravam a competição e Casey Currie/Rafael Tornabell. Além disso, os russos Sergey Kariakin e Anton Vlasiuk, vice-líderes, capotaram e ficaram para trás, deixando o caminho livre para Varela e Gugelmin - que também tiveram seus problemas, mas em proporção bem menor.

"Larguei e meu pneu furou depois de 400 metros. Fiz uma curva e peguei uma pedra - além de quebrar uma correia. Paramos para ajudar outro competidor, depois outro atolou e tentamos ajudar, mas a corda estourou e seguimos para não perder tempo. Agora que retomei a liderança, espero não perdê-la mais. O carro está bem e isso que importa. Vamos para cima.", relata Varela.

"Tudo muda de uma hora para outro. Um dia a gente está bravo, decepcionado e no outro nos vemos na frente. Estamos de novo na briga, mesmo com alguns probleminhas. Estamos quatro minutos à frente e faltam três dias, então não tem nada que economizar!", completa Gugelmin.

Outra boa notícia foi a recuperação de Bruno Varela, que subiu de 20º para 12º no geral após terminar o dia também em 12º. A vitória na etapa desta segunda ficou com Chaleco Lopez/Alvaro Quintanilla, que está exatamente 4min03s atrás dos líderes. Nesta quinta-feira, o Dakar se despede de San Juan de Marcona e volta a Pisco em um trajeto 576 quilômetros, sendo 361 de trechos especiais. Confira abaixo os resultados do dia e a classificação geral.

Resultado da sétima etapa:

1. C. Lopez/A. Quintanilla (CHI/Can-Am), 4h30min8s
2. R. Varela/G. Gugelmin (BRA/Can-Am), a 22min4s
3. R. Piazzolli/J. Diaz (CHI/Can-Am), a 23min8s
12. B. Varela/ M. Justo (BRA/Can-Am), a 1h39min34s

Classificação geral:
1. R. Varela/G. Gugelmin (BRA/Can-Am), 31h33min41s
2. C. Lopez/A. Quintanilla (CHI/Can-Am), a 4min3s
3. R. Piazzolli/J. Diaz (CHI/Can-Am), a 45min26s
12. B. Varela/ M. Justo (BRA/Can-Am), a 24h13min48s

Vipcomm

domingo, 13 de janeiro de 2019

RALLY DAKAR : VARELA E GUGELMIN SEGUEM FIRME NA DISPUTA



Altos e baixos para Varela/Gugelmin no Rally Dakar, assim como as dunas do Peru
                                                                      

Depois de escalar até a segunda posição do geral antes do intervalo, dupla volta a ter dificuldades na sexta etapa, mas segue na briga em terceiro.

O Rally Dakar de 2019 ficará gravado nas memórias de Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin pela quantidade de desafios que a dupla vem enfrentando. Após terminar a primeira metade da competição na vice-liderança depois de dificuldades na Etapa Maratona, os brasileiros voltaram a dar de cara com os percalços na retomada do evento neste domingo, quando se despediram de Arequipa e partiram para San Juan de Marcona.

O dia foi o mais longo de todo o percurso com 810 km no total e apenas 291 de trecho cronometrado. Depois de perder tempo no primeiro way point, recuperado nos seguintes, Varela e Gugelmin tiveram dificuldades após terem errado o caminho na briga pela vitória, fechando o dia em sétimo e caíndo para terceiro no geral. "Foi um daqueles dias para esquecer, com duas correias quebradas e tempo perdido em um dos waypoints, mas amanhã é outro dia", conta Varela.

Tava indo bem, me empolguei e acabei errando feio. A gente tinha acabado de passar o russo e estava atrás do espanhol, me empolguei atrás dele e os dois pegaram o caminho errado. Na hora de voltar, escolhemos o caminho errado e perdemos muito", completa Gugelmin, assumindo a culpa pelo tempo perdido. Já Bruno Varela/Maykel Justo seguia entre os 15 primeiros do dia restando um waypoint até as 22h15 de Brasília.

A dupla espanhola Gerard Farrez/ Daniel Oliveras lidera lidera com 13min31s de vantagem para os russo Sergey Kariakin/Anton Vlasiuk; Varela e Gugelmin agora estão a 32min36s da liderança. A competição prossegue nesta segunda-feira e será realizada nos arredores de San Juan de Marcona mesmo, com um trecho de 387 km, sendo 323 cronometrados.

Resultado do dia UTVs:
1. C. Lopez/A. Quintanilla (CHI/Can-Am), 4h12min08s
2. G. Farres Guell/ D. Carreras (ESP/Can-Am), a 12min31s
3. C. Currie/R. Tornabell (EUA/ESP/Can-Am), a 16s56
7. R. Varela/G.Gugelmin (BRA/Can-Am), a 17min31s

Classificação geral UTVs:
1. G. Farres Guell/ D. Carreras (ESP/Can-Am), a 11min26s
2. S. Kariakin/A. Vlasiuk (RUS/BSP), a 16min56s
3. R. Varela/G.Gugelmin (BRA/Can-Am), a 17min31s

Vipcomm

RALLY DAKAR RECOMEÇA NESTE DOMINGO FALTANDO 2.500 KM PARA FINAL

Rally Dakar volta neste domingo após dia de folga
                                                                                 


Sobreviventes da primeira metade da competição encaram mais 2.500 km rumo ao destino final, Lima.

Após a Etapa Maratona, que fez jus ao nome, encerrada nesta sexta-feira, e ao dia de folga merecido neste sábado, o Rally Dakar retoma as atividades no domingo para segunda metade da competição no Peru, fazendo todo o caminho de volta para o ponto de partida: a capital Lima.

Os competidores terão pela frente mais de 2.500 quilômetros (2570 para motos e quadris; 2541 para carros, UTVs e caminhões) dos mais de 5.500 km de trajeto total, juntando deslocamentos e trechos cronometrados.

A caravana do Dakar sairá de Arequipa para San Juan de Marcona, onde ficarão por dois dias até seguirem para Pisco e, enfim, ao destino final, onde serão coroados os grandes campeões da edição de 2019.
                                                                           


Entre os brasileiros que seguem na competição, Reinaldo Varela/Gustavo Gugelmin continuam na briga pelo título dos UTVs, enquanto Marcos Baumgart/Kleber Cincea, Cristian Baumgart/Beco Andreotti e o navegador Lourival Roldan brigam por lugares entre os dez melhores do maior rali do mundo, com Bruno Varela/Maykel Justo fazendo uma prova de recuperação.
                                                                           


Nas motos, o veterano Lincoln Berrocal, de 60 anos (o mais velho entre os inscritos da categoria), continua competindo firme e forte; Marcos Colvero é a única baixa do Brasil no Dakar em 2019, sendo forçado a abandonar após uma queda no terceiro dia.

Mais informações e entrevistas com os competidores serão divulgadas ao vivo assim que os competidores vão chegando nas páginas oficiais do Brasil no Dakar no Facebook(www.facebook.com/brasilnodakar)eInstagram (www.instagram.com/brasilnodakar2019).

Confira em detalhes o percurso do Dakar: 

Dia 7: 13 de janeiro (domingo)
Arequipa -> San Juan de Marcona
Distância total: 839 km (motos e quadris); 810 km (carros, UTVs e caminhões)
Trecho especial: 317 km (motos e quadris); 291 km (carros, UTVs e caminhões)

Dia 8: 14 de janeiro (segunda-feira)
San Juan de Marcona
Distância total: 387 km
Trecho especial: 323 km

Dia 9: 15 de janeiro (terça-feira)
San Juan de Marcona -> Pisco
Distância total: 576 km
Trecho especial: 361 km

Dia 10: 16 de janeiro (quarta-feira)
Pisco
Distância total: 410 km (408 km para os caminhões)
Trecho especial: 313 km (311 km para os caminhões)

Dia 11: 17 de janeiro (quinta-feira)
Pisco -> Lima
Distância total: 358 km
Trecho especial 112 km

Montante percorrido
Motos e quadris
Distância total: 5.541 km
Trechos especiais: 2.889 km

Carros e UTVs
Distância total: 5.603 km
Trechos especiais: 2.961 km

Caminhões
Distância total: 5.601 km
Trechos especiais: 2.959 km

 Duda Bairros / photosdakar.com

Brasil No Dakar 2019
Vipcomm 


sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

NOVA LANDER ABS 2020 CHEGA NESTE MÊS COM QUATRO ANOS DE GARANTIA


A NOVA LANDER ABS 2020 ESTARÁ DISPONÍVEL NA REDE DE CONCESSIONÁRIAS YAMAHA NA SEGUNDA QUINZENA DE JANEIRO AO PREÇO DE R$ 16.990,00 + FRETE.
                                                                        

 NOVA GERAÇÃO YAMAHA LANDER ABS CHEGA COM TUDO.

A nova geração da Lander ABS chega com tudo: novo design, mais segurança e mais conforto. E sem abrir mão de seu DNA, que é a agilidade, economia e durabilidade. A maior prova disso, é que sua garantia passa a ser de 4 anos!

                                                                

O conceito desta nova geração surgiu do resultado de pesquisas com potenciais clientes da categoria sobre as possibilidades de melhoria no modelo. E os questionamentos que mais se destacaram foram: -“E se ela tivesse o visual robusto da XT660?”; -“E se ela mantivesse sua agilidade e DNA off road?”; - “E se ela tivesse o conforto da Ténéré 250?”.

Foi exatamente para atender a estes questionamento que nasceu a nova Lander ABS.

O design é inspirado no conceito de movimento dinâmico, que traz agilidade e leveza. É robusto e agressivo, com dianteira marcante e tanque imponente, remetendo à XT660R. Essa inspiração na icônica big trail fica evidente em detalhes como o conjunto formado pelo para-lama dianteiro, carenagem que envolve o farol e os protetores dos amortecedores, e também as abas do tanque.

O modelo passou também a incorporar qualidades de sua irmã Ténéré 250. Conta agora com um confortável assento, em dois níveis, mais largo e ergonômico, promovendo um melhor encaixe do condutor à motocicleta e mais eficiência na acomodação do garupa, que também passa a contar com alças de apoio em alumínio. Outra qualidade dá-se pela maior autonomia do tanque de combustível, que aumenta sua capacidade de 11 para 13,6 litros e passa a contar com tampa estilo aviação.
                                                                                 
As novidades da nova Lander ABS não param por aí. Ela é equipada com luz de posição e tanto a lanterna quanto o farol, passam a ser em FULL LED, enquanto o painel digital está ainda mais completo, agora com indicadores de consumo médio e instantâneo.


Para quem gosta de encarar as estradas, a Yamaha criou o Kit Touring para nova Lander ABS. Vendido na rede de concessionários, ele contará com acessórios como bagageiro, bauletos com duas opções de tamanho – 33 e 35 litros –, e ainda protetor lateral do motor e para-brisa.
                                                                                

A Yamaha Lander ABS terá três opções de cores. Azul (Competition Blue), Branco (Sports White) e Preto (Black Eclipse), e estará disponível para compra nos Concessionários Yamaha na segunda quinzena de janeiro de 2019, ao preço público sugerido de R$ 16.990,00 + frete.

 DIA A DIA

As novidades vão além de seu visual moderno e atraente na nova Lander  ABS. Graças a sua agilidade e versatilidade, ela é uma moto perfeita para o “off-road urbano” do dia a dia, podendo ser utilizada para locomoção até o trabalho, para o lazer e em pequenas viagens por estradas ou por caminhos de terra.

Chassis – Parte do mérito do ótimo comportamento dinâmico da Lander se deve ao seu chassi, que na nova geração recebeu mudanças para acomodar o novo tanque de combustível e o assento em dois níveis.

Todo fabricado em aço, o chassi da nova trail de 250cc da Yamaha combina a dupla trave superior com o berço semi-duplo, por isso é resistente e capaz de resistir a torções que incidem diretamente no comportamento da motocicleta. Na prática, essa característica pode ser notada em sua grande agilidade e facilidade de condução, que lhe permite mudar de trajetória com notável rapidez e, o mais importante, de forma firme e estável – qualidades imprescindíveis para uma motocicleta segura... e divertida!

Todas essas características fazem da nova Lander uma das melhores opções para os proprietários de motos de 125 / 150cc que buscam um up grade para uma motocicleta mais potente e robusta, ou até mesmo para quem está iniciando no motociclismo.

Uma imagem contendo motocicleta, ao ar livre, bicicleta, estacionado
Descrição gerada com muito alta confiançaSuspensões – Outros componentes responsáveis pela invejável agilidade, estabilidade e também pelo conforto da nova Yamaha, são as suspensões. Elas são robustas e garantem suavidade no funcionamento, filtrando com eficiência as irregularidades do piso.

Na dianteira, os tubos internos têm 41mm de diâmetro e o longo curso de 220 mm. Já na traseira, o sistema Monocross com link, amortecedor único a gás e ajustável na compressão da mola, tem curso de 204 mm.

Rodas e pneus – As rodas da nova Lander tem diâmetro de 21 polegadas na dianteira e 18 na traseira. Elas são calçadas pelos pneus Metzeler Tourance nas medidas 80/90-21 na dianteira, e 120/80-18 na traseira, capazes de garantir um surpreendente desempenho no asfalto e uma boa aderência na terra.

                                                                   

Freios - O sistema de freios que equipa a nova Yamaha, é composto por um disco de 245mm e uma pinça de duplo pistão na frente, e um disco de 203mm e pinça simples na traseira. Eles garantem frenagens seguras e em curtos espaços.

Nesse quesito, a grande novidade é a adoção do sistema ABS – Anti-lock Bracking System – como item de série. Presente na roda dianteira, ele impede o seu travamento em condições de baixa aderência de piso, como em dias de chuva ou mesmo frente a frenagens bruscas de emergência, garantindo, portanto, ainda mais segurança na condução.

                                                                                 

Uma imagem contendo interior, mesa
Descrição gerada com alta confiança

Farol e lanterna – A utilização de farol móvel que acompanha o movimento do guidão e lanterna traseira inteiramente em LED também são pontos a favor da segurança. Além de conferirem mais modernidade e menor consumo de energia à nova Lander ABS, eles também proporcionam maior eficiência na iluminação.

Uma imagem contendo motocicleta, bicicleta, objeto
Descrição gerada com alta confiança

Painel - Totalmente digital e com iluminação em LED, o painel da nova Lander oferece boa leitura em qualquer situação. Nele, o destaque fica por conta dos novos indicadores de consumo instantâneo e média de consumo – bastante úteis emc viagens e também no uso diário. Outras funções disponíveis são o velocímetro, o hodômetro total e dois parciais (TRIP-1 e TRIP-2) e “Fuel Trip” (que indica a quilometragem rodada na reserva), relógio, tacômetro de fácil leitura e também as luzes indicadoras de piscas, farol alto, neutro e alerta de motor e do sistema Blueflex.

 Motor - O principal responsável por dar a Lander ABS – e também na Fazer 250 – a sua fama de resistente e econômica é inegavelmente o seu motor. O monocilíndrico, de arrefecimento misto – já que conta com o auxílio de um radiador de óleo – tem a capacidade de 249,5 cm³ e é do tipo SOHC (Single Over Head Camshaft), utilizando duas válvulas acionadas por comando simples no cabeçote.

 O motivo de tanta robustez se dá não só ao seu projeto consolidado deste motor. Merece destaque toda tecnologia empregada em sua construção, que utiliza componentes nobres como pistão em alumínio forjado e cilindro revestido de níquel fósforo, material este similar ao de motos de competição, que diminui o atrito e dispersa o calor com mais eficiência.

Nele, o acionamento do câmbio de 5 marchas é suave e seus engates precisos. Sua transmissão secundária é feita por corrente, com coroa e pinhão de 13 e 40 dentes respectivamente. A embreagem, do tipo multidisco em banho de óleo, também prima pela maciez no funcionamento.

 A Lander ABS é dotada do sistema Blueflex, que permite abastecimento com gasolina ou etanol. Quando abastecida com gasolina, a potência máxima gerada é de 20,7 cv e de 20,9 cv em caso de o motor ser alimentado com etanol, ambos atingidos a 8.000 rpm. O torque, por sua vez é de 2,1 kgf.m, tanto abastecido com etanol quanto por gasolina, ambos alcançados a 6.500 giros.

Outra vantagem da nova Lander, é que ela já sai de fábrica com lubrificante de última geração, o Yamalube semissintético SAE 10W 40 API SL.

 Traduzindo os números para a prática, suas respostas são contundentes, tanto em baixos giros, como nas faixas mais amplas de rotação. Nas acelerações e retomadas, a Lander ABS impressiona. Seu fôlego pode ser notado sobretudo em subidas e também quando se trafega acompanhado de um garupa.

 Embora não tenha sofrido alteração nos números de potência e torque, o sistema de alimentação da Lander está mais eficiente. Nele, a nova injeção eletrônica de combustível agora segue o padrão de modelos de alta cilindrada, com injetor de 10 furos. Este refinamento técnico permite que a atomização da mistura ar e combustível injetado no interior da câmara de combustão seja mais eficiente, gerando não só uma queima mais completa – resultando em melhores respostas – mas também em um funcionamento menos poluente e com maior economia de combustível.
                                                                         
Outro fator que faz dessa nova Yamaha uma motocicleta menos poluente, é a adoção do novo catalizador de três vias, exigido pelas rígidas normas de emissões vigentes.

No que se refere a estética, as tampas laterais do motor são na cor preto, conferindo sofisticação à nova trail.

Custo benefício - Além de uma motocicleta incrivelmente ágil, econômica e reconhecidamente resistente, a nova Lander também é um bom negócio. Ela contará com nova garantia de 4 anos - a maior do mercado de motocicletas no Brasil. Com ela, o consumidor que já conhece e admira a durabilidade da Lander, passa confiar ainda mais no modelo e na qualidade das motocicletas Yamaha, a primeira fabricante a produzir motos no Brasil.

Lander ABS conta com peças da linha YTEQ – pastilhas dos freios dianteiro e traseiro, e relação secundária – cujo custo é mais acessível porém sem perder a qualidade Yamaha. Não bastando, ela também faz parte do programa Revisão Preço Fixo, da Yamaha. Com ele, o cliente sabe exatamente quanto pagará nas revisões periódicas, garantindo  economia, transparência e valorização do modelo.



Ficha Técnica YAMAHA LANDER ABS 2019

MOTOR

Motor

SOHC, 2 válvulas, Refrigeração a Ar, 4 Tempos

Cilindrada

249,5

Quantidade de Cilindros

1

Potência Máxima

20,7cv/8.000 rpm (Gasolina) – 20,9cv/8.000 rpm (Etanol)

Torque Máximo

2,1 kgf.m/6.500 rpm (Gasolina) - 2,1 kgf.m/6.500 rpm (Etanol)

Alimentação

Injeção Eletrônica

Sistema de Partida

Elétrica

Peso a seco

143 kg

Câmbio

5 velocidades

SUSPENSÃO

Dianteira

Garfo telescópico

Curso da Suspensão Dianteira

220 mm

Traseira

Balança traseira tipo Monocross com link

Curso da Suspensão Traseira

204 mm

FREIOS

Dianteiro

Disco hidráulico de 245 mm

com sistema anti bloqueio (ABS)

Traseiro

Disco hidráulico de 203 mm

DIMENSÕES

Altura do assento

875 mm

Comprimento total

2150 mm

Largura Total

815 mm

Altura Total

1210 mm

Altura mínima do solo

270 mm

Distância entre eixos

1385 mm

Tanque de Combustível

13,6 L (4,1 L reserva)


quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

RALLY DAKAR : COMEÇA ESQUENTA AINDA MAIS PARA OS COMPETIDORES NESTA QUINTA FEIRA 10

Etapa Maratona joga pimenta no Rally Dakar

Além de ter de competir sem auxílio, caravana do maior rali do mundo se desmembra e dorme separada por uma noite - motos e quadris de um lado; carros, UTVs e caminhões do outro.

O Rally Dakar, maior rali do mundo que vem disputando sua 41ª edição no Peru, se prepara para encarar um dos maiores desafios desta edição a partir da próxima quinta-feira (10) com o início da Etapa Maratona.
                                                                         


Pelos próximos dois dias, nenhum competidor poderá contar com auxílio externo ou da equipe - se quebrar algo, ele mesmo terá de consertar ou esperar o fim do segundo dia. E a caravana parte para esta fase especial da competição após percorrer praticamente 800 km nesta quarta-feira (9), entre San Juan de Marcona e Arequipa.

Além de ser uma etapa maratona, a quinta-feira no maior rali do mundo terá outro ingrediente interessante: a separação de acampamentos. Será a única vez em que motos e quadriciclos ficarão separados dos carros, UTVs e caminhões por questões de logística de competição.
                                                                           

Enquanto motos e quadris parte de Arequipa para Moquegua, em um trecho de 551 km, os veículos mais pesados vão para Tagna, em um trajeto mais longo, de 664 km. No entanto, o trecho cronometrado de todas as categorias será o mesmo, de 352 km. No segundo dia da etapa Maratona, na sexta-feira (11), eles retornam para Arequipa, onde acontece o dia de folga no sábado (12).

Enquanto isso, parte dos competidores está no longo deslocamento de quase 500 km. Nas motos, a liderança é de Pablo Quintanilla, seguido pelo argentino Kevin Benavides e pelo inglês Sam Sunderland após vitória do francês Xavier de Soultrait. Os brasileiros Lincoln Berrocal e Marcos Colvero ainda não terminaram a especial de 331 km até as 18h30 de Brasília.
                                                                                


Nos carros, a lenda francesa do Dakar, Stephane Peterhansel, ganhou a especial e está em terceiro na tabela geral, atrás de Nasser Al-Attiyah, o líder, e do árabe Yazeed Al-Rajhi. Já nos UTVs, a dupla brasileira Reinaldo Varela/Gustavo Gugelmin teve problema entre o último ponto de checagem e a chegada, terminando em quinto e caindo para a quinta posição entre as UTVs, com o espanhol Gerard Farres agora puxando a fila na primeira posição. Já Marcos Baumgart/Kleber Cincea segue firme na competição em sexto no geral.

Os outros brasileiros participantes na categoria (Cristian Baumgart/Beco Andreotti, e Lourival Roldan) seguem na parte final da especial. Mais informações e entrevistas com os competidores serão divulgadas ao vivo assim que os competidores vão chegando nas páginas oficiais do Brasil no Dakar no Facebook (www.facebook.com/brasilnodakar) e Instagram (www.instagram.com/brasilnodakar2019).

Confira em detalhes o percurso do Dakar: 

Dia 4: 10 de janeiro (quinta-feira)
Etapa Maratona
Arequipa -> Moquegua (motos e quadris)
Arequipa -> Tagna (carros, UTVs e caminhões)
Distância total: 511 km (motos e quadris); 664 km (carros, UTVs e trucks)
Trecho especial: 352 km

Dia 5: 11 de janeiro (sexta-feira)
Etapa Maratona
Moquegua -> (motos e caminhões)
Tagna -> Arequipa (carros, UTVs e caminhões)
Distância total: 776 km (motos e quadris); 714 km (carros, UTVs e caminhões)
Trecho especial: 345 km (motos e quadris); 452 km (carros, UTVs e caminhões)

Dia 6: 12 de janeiro (sábado)
Dia de descanso em Arequipa

Dia 7: 13 de janeiro (domingo)
Arequipa -> San Juan de Marcona
Distância total: 839 km (motos e quadris); 810 km (carros, UTVs e caminhões)
Trecho especial: 317 km (motos e quadris); 291 km (carros, UTVs e caminhões)

Dia 8: 14 de janeiro (segunda-feira)
San Juan de Marcona
Distância total: 387 km
Trecho especial: 323 km

Dia 9: 15 de janeiro (terça-feira)
San Juan de Marcona -> Pisco
Distância total: 576 km
Trecho especial: 361 km

Dia 10: 16 de janeiro (quarta-feira)
Pisco
Distância total: 410 km (408 km para os caminhões)
Trecho especial: 313 km (311 km para os caminhões)

Dia 11: 17 de janeiro (quinta-feira)
Pisco -> Lima
Distância total: 358 km
Trecho especial 112 km

Montante percorrido
Motos e quadris
Distância total: 5.541 km
Trechos especiais: 2.889 km

Carros e UTVs
Distância total: 5.603 km
Trechos especiais: 2.961 km

Caminhões
Distância total: 5.601 km
Trechos especiais: 2.959 km

 Vipcomm

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

RALLY DAKAR : VARELA E GUGELMIN LEVARAM O PRIMEIRO TRECHO

Rally Dakar: brasileiros vencem em primeiro dia de calor escaldante no Peru.
                                                                           

Atuais campeões na categoria UTV, Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin foram os melhores no trecho de 84 km que abriu o maior rali do mundo.

Atual dupla campeã do Rally Dakar, os brasileiros Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin venceram nesta segunda-feira o primeiro dia de competições na categoria UTV, que ligou a capital Lima a Pisco, na especial mais curta do evento - mas não menos difícil.

O dia de 331 km no total e 84 km de trecho cronometrado foi marcado pelo forte calor na região - ítem destacado por quase todos como o maior desafio deste primeiro momento do maior rali do mundo, que sai nesta terça-feira de Pisco rumo a San Juan de Marcona, em um trajeto de 554 km, sendo 342 de especial.

"Isso é muito bom e mostrou que estamos em forma", destacou Gugelmin. "Foi um dia bem prazeroso de andar, com dunas pequenas. Foi um começo bem legal para todo mundo se acostumar com o trajeto", completou Varela, que compete pela equipe Monster Energy Can-Am X3. Já seu filho, Bruno Varela, que corre ao lado do navegador Maykel Justo, fechou o dia em sétimo.

Confira os cinco melhores do primeiro dia na categoria UTV:

1. R. Varela/G. Gugelmin (Can-Am)
2. F. Lopez Contardo/AJ. Leon Quintanilla (Can-Am), a 1:27
3. G. Farres Guell/D. Oliveras Carreras (Can-Am), a 2:32
4. I. Casale/A. Aliaga (Yamaha), a 3:39
5. RJ. Moreno Piazzolli/JG. Araya Diaz (Can-Am), a 3:44

Vipcomm